terça-feira, 22 de julho de 2008

Sobre possuir um cachorro

Um dos aspectos mais interessantes de ter um cachorro é poder acompanhar diariamente como um ser é capaz de aprender coisas novas.

Para quem não conhece o Buster: ele é o cachorro que fica no pátio dos fundos da minha casa, sendo o principal responsável por:
  • Brincar com qualquer objeto que tenha ficado ao seu alcance;
  • Derrubar todos os vasos de flores que estão na prateleira;
  • Brincar com as roupas estendidas no varal que estão abaixo da altura mínima permitida;
  • Comer a toalha da mesa e o canto de todas as cadeiras que ficam no pátio;
  • Comer a torneira de plástico do tanque de lavar roupas;
  • Devorar livros que eventualmente fiquem esquecidos em área não segura;
  • Espalhar baba por toda a área ao seu alcance (talvez em uma tentativa de demarcação territorial).

Mas voltando ao assunto mencionado acima, vou citar um pouco a forma como é possível acompanhar este aprendizado ao qual eu me refiro.

Minha mãe possui uma centrífuga. Ela fica ao lado do tanque, coberta pela caixa de papelão onde veio embalada a própria centrífuga. Em uma das vezes que a mãe foi utilizar a máquina, ela não ligou. Aparentemente, o motivo de não funcionamento da máquina era a ruptura dos fios da máquina, ocasionado por um mastigamento canino. Meu pai, que não tem muito jeito para ensinar coisas para seres com baixa capacidade de raciocínio, tentou mostrar ao Buster que aquilo era errado e remendou o fio para que a centrífuga pudesse ser utilizada novamente.

Dois dias depois, a história se repete. Novamente, meu pai ensina o cachorro que aquilo é errado e remenda novamente o fio, desta vez colocando todo o fio dentro dentro da caixa de papelão ao guardar a centrífuga.

Mais um ou dois dias e a história se repete novamente. E o cachorro aprende mais uma vez que ele não deve roer o fio da máquina de centrifugar roupas, que é reparado pela terceira vez.

Mais alguns dias e, além do fio estar novamente roído, a caixa da centrífuga também foi alvo de exercícios bucais para fortalecimento muscular. Mais uma vez o cachorro aprende que tal ação não deve ser executada sobre objetos na área não segura. Mas desta vez alguma mudança é observada.

Depois de roer o fio quatro vezes, ele aprendeu.

Agora a centrífuga fica guardada no quartinho, pois meu pai aprendeu que para o fio não ser roído a centrífuga não deve ficar ao alcance do cachorro.

Nenhum comentário: