domingo, 24 de dezembro de 2006

Judeu alemão mercenário

Carlos: como se diz feliz natal em alemão?
Alexandre: Frohe Weihnachten
Carlos: valeu
Alexandre: € 5,--

Feliz Natal para todo mundo!
Merry Christmas for everybody!

sábado, 23 de dezembro de 2006

Momento melancólico

É difícil achar uma música que traduza um sentimento. Escutando música hoje consegui encontrar uma que fecha bem com sentimentos atuais. Como isso não acontece sempre, resolvi postar a letra.

Communication - The Cardigans

For 25* years I've been trying
To believe and confide in
Different people I've found
Some of them got closer than others
Some wouldn't even bother
And then you came around

I didn't really know what to call you
You didn't know me at all
But I was happy to explain
I never really knew how to move you
So I tried to intrude through
The little holes in your vanes
And I saw you

But that's not an invitation
That's all I get
If this is communication
I disconnect
I've seen you, I know you
But I don't know how to connect
So I disconnect

You always seem to know where to find me
And I'm still here behind you
In the corner of your eye
I'll never really learn how to love you
But I know that I love you
Through the hole in the sky
Where I see you

And that's not an invitation
That's all I get
If this is communication
I disconnect
I've seen you, I know you
But I don't know how to connect
So I disconnect

Well, this is an invitation
It's not a threat
If you want communication
That's what you get
I'm talking and talking
But I don't know how to connect
And I hold a record for being patient
With your kind of hesitation
I need you, you want me
But I don't know how to connect
So I disconnectI disconnect

(*)Na letra original, 27. Na minha experiência, 25.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

Paranóia

Rafael says:
e tem como alguem gravar quando tu liga webcam?
Carlos says:
tem
sempre tem
Rafael says:
hm, sempre perigo
vai saber onde o teu rosto pode aparecer depois, né?
Carlos says:
aouiahioahouiahioauha
Rafael says:
mas não é?
Carlos says:
claro
Rafael says:
não sei, cara...não to confiando mais nas pessoas do msn
dá pra eu saber se alguem ta gravando?
eu nao sei pq eu and odesconfiado assim agora
Carlos says:
hehe
hora de tu fazer uma limpeza na tua lista
Rafael says:
hm, pois é
Carlos says:
mas a pessoa só pode gravar se tu tiver exibindo
Rafael says:
sim, sim...ams tem como eu saber se tã ogravando?
Carlos says:
não
mas para gravar precisa ter um software especial de gravaçao de tela
e não é qualquer toscalhão que consegue isso
então se tu tiver conversando com a paTy_l0iR@-eU-aMu-m!nh@s-mIgUXas, a possibilidade de ela ter neuronios para usar um software desses é bem pequena
Rafael says:
hahahahaha
bem especifico o meu amigo carlos
ok ok
Carlos says:
mas se tu estiver conversando com o Morpheus, desconfia
Rafael says:
heheheh nick sugestivos, é?
Carlos says:
sim
Rafael says:
hehehe
mas oq impede da loira_molhada@mecoma.com ser um Morpheus escondido?
Carlos says:
nada
impede se for l0!r@_m0LhADa
só elas tem a capacidade de colocar esses caracteres indecifráveis
(...)
Carlos says:
mas o pior não é
algumas vezes tem gente gravando
outras vezes, tem gente blogando

domingo, 17 de dezembro de 2006

Rombo no orçamento

Pois é. Troquei de namorada de novo. Por muito tempo foi o computador que consumia todo o meu dinheiro. Depois foi a monografia, que consumia todo o meu tempo. Agora é a Twister que vai levar o meu salário deste mês.

Troquei o acionador da corrente de comando, que estava começando a fazer barulho (a corrente, não o acionador). Troquei o pneu traseiro (coloquei um Michelin Sporty). Aproveitei e fiz balanceamento da roda traseira. Ainda falta fazer a revisão dos 18.000Km (inclui troca de óleo e filtro) e balancear a roda da frente. Após estas duas coisinhas, a moto estará perfeita, pronta para qualquer viagem.

Isso consome todo o meu salário? Não. Mas aí vem o governo me cobrar IPVA, seguro obrigatório, taxa de expedição de documento, etc. E o desconto de bom motorista vale só para o IPVA, não vale para o seguro obrigatório. Deveria ter um desconto neste seguro por ausência de acidentes. Total de dinheiro que eu vou pagar para o governo? R$ 329,89. Pretendo pagar neste ano e começar 2007 sem dívidas.

Em virtude de tudo isso, a tão sonhada viagem para Gramado foi adiada. A moto tá mostrando que ela é cara, mas está sendo em uma faixa de valor que eu consigo pagar, e o benefício que ela proporciona está se mostrando bem relevante.

O título do ano

Sim, dependendo do filme eu choro. No filme que eu assisti hoje de manhã, chorei de novo. E não tem choro melhor do que chorar de felicidade.

Colorado campeão do mundo. Falaram em um tal de Ronaldinho-não-sei-do-que, que ia desequilibrar e tal. Estou ainda esperando. Ele deu uma entrevista, dizendo que não eram favoritos (pffff) e que iriam jogar para se divertir. Espero que tenham se divertido, já que a nossa intenção era a de ganhar. Se foi assim, ambos devem voltar contentes para casa. Ou não.

De qualquer forma, terminado o jogo comemorei, gritei (minha garganta dói), saí de moto, buzinei, a Dalila disse que me viu na Protásio Alves, enfim. Hoje era o dia de gastar a buzina, então eu gastei. Daqui para a frente, acredito que o "Interregional" não seja mais citado.

Frase do dia? Não sei. Talvez "COMO É BOM SER COLORADO!!!"

Filme do dia? Porque não "O Planeta dos Macacos"?

Música do dia? Sport Club Internacional - Hino Oficial

Drops (mais frases serão acrescentadas quando forem elaboradas):
  • A Rbk vai parar de fabricar camisetas para o Internacional. Essa história de ficar colocando estrelas e fazer uma camiseta diferente a cada 4 meses irá levar a empresa à falência rápido.
  • Quando uma equipe sai para conquistar o mundo, precisa deixar alguém cuidando da casa.
  • Na final do gauchão, o time de ferro ganhou do time de diamantes. Mas esqueceram que diamantes são eternos.
  • E vamos acalmar com a euforia e pensar nos próximos jogos. Ouvi dizer que tem um time em Marte que joga muita bola.

quinta-feira, 14 de dezembro de 2006

A gafe do ano

Pois é. O Marcelo defendeu o TC dele hoje. Passou com "A". Parabéns, Marcelo.

21h40min. Toca o meu celular. Era o Marcelo. Cavanhas daqui a 20 minutos? Certo.

Voltando à defesa do Marcelo: A banca foi composta por 2 professores, R.T.P. (mais conhecido por T.P.) e A.F.M. O professor T.P. fez perguntas básicas sobre o trabalho, mas perguntou o suficiente para mostrar que ele não tinha lido a monografia. Ele até citou que não tinha lido. Logo, fez perguntas para encher o saco, e quem enche o saco é chato. Já o A.F.M. eu não sei dizer se leu a monografia, mas se leu não entendeu nada. Perguntou coisas como "porque dois mais dois é igual à quatro". O Marcelo não soube responder (visto que não tinha resposta) e o orientador dele ajudou a enrolar. Mas o grande pé no saco da apresentação foi o T.P.

Recuperando a história, peguei a moto e saí. Cheguei lá junto com Wally, o Marcelo e a Bruna. Sentamos numa mesa, falamos um pouco sobre a apresentação do Marcelo, que era o grande astro na noite, e eu comentei sobre o professor T.P. Na verdade, eu só disse a verdade: "O T.P. é um pé no saco!". Quem me conhece sabe que o meu tom de voz. Continuamos conversando um pouco e uma menina linda na mesa do lado puxa assunto com a Bruna. Linda mesmo. Aí a Bruna olha pra mim e diz: "Ela é filha do T.P.!".

- Erm... sorry?
- ...
- O teu pai compôs a banca dele (apontando para o Marcelo) e não leu a monografia.

E ficou nisso. Como é que pode? Quando não é o Google espionando a nossa intimidade, vou sentar logo do lado da filha do cara que eu estou falando mal?Isso comprova uma teoria muito especulada. Murphy existe.

E usando uma frase da Pri: Murphy é um grande filho da puta mesmo.

Agora, resta dizer uma coisa. O T.P. pode ser um péssimo professor, mas filha ele sabe fazer. E como sabe!

terça-feira, 5 de dezembro de 2006

Deu "A"

É. Hoje não foi o dia "D". Hoje foi o dia "A". Não só tirei o melhor conceito possível no trabalho de conclusão, como meu orientador disse que nem houve discussão sobre a minha nota. O conceito foi unânime. Meu orientador disse que o meu TC não estava dos melhores, mas a banca elogiou bastante o texto, ficou fácil de ser lido e o português ficou bem acessível. E eu caprichei na apresentação, o que foi essencial (apesar do nervosismo).

E por hoje é isso. Meu dia valeu "A". Não terminei a faculdade sozinho, então abaixo seguem alguns agradecimentos, retirados diretamente do trabalho de conclusão.


AGRADECIMENTOS


Primeiramente agradeço à Deus, por tudo o que Ele me proporcinou até hoje e por tudo que ainda está reservado.

Ao Instituto de Informática da UFRGS, pela qualidade de ensino inigualável, pelo aprendizado, pela infraestrutura fornecida no Campus do Vale, por todos os bons momentos vividos durante estes 6 anos e especialmente por abrir as portas para o meu futuro. Quero deixar um agradecimento especial ao professor João Comba por acreditar em mim quando eu mesmo não acreditei. Obrigado por não ter sido apenas um professor, mas sim um amigo durante boa parte dessa jornada. Obrigado mesmo. Quero agradecer também ao professor Raul Weber, por ser mais do que um professor, e se dedicar ao máximo em tudo o que faz dentro da universidade. Obrigado por me aceitar como orientado neste trabalho de conclusão, por ser amigo, e por sempre estar disposto a realizar novas pesquisas em sistemas de apoio à decisão semi-automatizados com recursos multimídia de alto desempenho e dispositivos sofisticados de interação homem-computador.

Ao pessoal da Procempa, pela oportunidade de estágio, pela paciência ao longo de um ano e sete meses, pelo aprendizado, por todo o carinho, pelo trabalho e por terem possibilitado o meu crescimento profissional. Agradeço à todos os colegas e amigos que fiz por lá durante este tempo. Muito obrigado aos colegas da infra-estrutura, Sérgio Claser, Adriana Rodrigues, Leandro Corte, Paulo Partichelli e demais. Obrigado também aos amigos de outros setores, Renata Pegorini, Lucas Pasqualim, Andrey Palma e demais colegas que fizeram com que o tempo na Procempa passasse rápido, sim, mas sobretudo, valesse a pena.

Ao pessoal da NDI, por montarem este grupo maravilhoso e especialmente por me deixarem fazer parte dele. Por mandarem muitas abobrinhas todos os dias, por marcarem eventos sempre em cima da hora, por todos os auxílios em diversos problemas de diversos tipos e por aceitarem a idéia de montar um time de falta de futebol. Aos colegas Alexandre Coster, Bruna Antunes, Caciano Machado, Carolina Chiao, Felipe Mobus, John Kliff, Julio Gerchman, Kaqui, Mairo Pedrini, Marcelo Zembrzuski, Marcos Slomp, Omar Balbuena, Paulo Sérgio, Priscilla Kurtz, Rodrigo Esser, Rodrigo Kassick, Rodrigo Machado, Thiago Becker, Thiago Salvador e Tiago Ferraz, quero deixar registrado o meu mais sincero muito obrigado.

Tio Hélio, tia Lúcia e Thawara, muito obrigado. Obrigado por sempre me receberem de braços abertos e por estar sempre à disposição. Tia Lúcia, obrigado por abrir meus olhos, e por me levar através de caminhos que eu provavelmente nunca teria seguido sem um guia. Pelas palavras de carinho, pelas palavras não tão carinhosas (tu sabe do que eu estou falando), pelos momentos juntos e por todas as trocas de conhecimento. Muito obrigado, mesmo!

Eduardo, não sei o que te dizer. Obrigado por sempre dar um jeitinho de me tirar de casa, por todos os cinemas juntos, por todas as cervejas, churrascos, pela extrema boa vontade em me ajudar a pegar uma onda (eu consegui!), caronas, pelas aulas juntos, pelos trabalhos de última hora e por todas as madrugadas de estudo, não medindo esforços para juntar computadores e analisar à fundo as propriedades de programas de cunho educativo como Quake III Arena¹, Need For Speed², Fifa³, entre outros. Valeu, irmão. Não poderia deixar de incluir aqui os teus pais, Otomar e Mara, que sempre me trataram como um filho, e a tua namorada (quando é que tu vai criar vergonha na cara e casar?) Lilian, por ser essa pessoa super legal, super querida e sempre disposta a dar uma carona para a praia. Espero que eu consiga recompensar tudo isso um dia.

Fabiane, eu também não sei o que te dizer. Tu foi a pessoa que mais melhor me demonstrou que as primeiras impressões nem sempre são verdadeiras. E muito obrigado por me demonstrar isso. Apesar do pouco tempo de convívio, tenho muito o que agradecer. Obrigado por ser essa irmãzona que tu vem sendo. Obrigado pelo carinho, pelas palavras certas nas horas certas, pelos conselhos, por sempre estar disposta a sair, pelas caronas, e especialmente por me aturar. Eu sei que não é uma tarefa fácil, portanto, muito obrigado!

Padrinhos queridos! Muito obrigado! À minha madrinha Nahir, por ser uma segunda mãe. Ao meu padrinho Roberto, por ser do jeito que ele é. Algumas vezes ranzinza, é verdade, mas ainda assim padrinho. Obrigado por me perdoar quando eu formatei o teu computador, por todas as gorjetas quando eu lavava o carro, por sempre deixar a tua casa à disposição e pelo exemplo de força e determinação que tu deixa não só para mim, mas para qualquer pessoa que não tenha passado pelo que tu passou. Eu amo muito vocês. Obrigado também à Fabi, por todos os nossos momentos juntos, e ao Dani, pelo "empurrão" na hora de decidir qual universidade seguir. Obrigado por fazerem parte da pequena grande família Rocca.

À minha falecida vó, Hilda Schlichting Rocca, que infelizmente não pode estar ao meu lado nas minhas maiores conquistas. Obrigado por ter feito parte da minha criação e da minha educação. Obrigado por aturar uma criança que desligava a televisão com um outro controle remoto na hora da novela. Obrigado por todas as tardes juntas, pelos lanches, pelas sobremesas e por sempre me querer bem. Muito obrigado, de verdade.

Cristiane, minha querida e amada irmã, obrigado por aturar este irmão chato. Obrigado por entender quando eu não tenho tempo, por me mostrar que muitas vezes uma maior idade não significa um maior conhecimento, e também por entender quando isto não acontece. Obrigado simplesmente por fazer parte da minha vida. Te amo!

Pai, é absolutamente impossível agradecer em algumas linhas tudo o que tu fez por mim durante 25 anos. Então vou agradecer simplesmente por tu ser o pai perfeito que és. Obrigado por me ensinar à andar, falar, andar de bicicleta, ser colorado, montar um autorama, dirigir, ser um menino comportado (mesmo utilizando métodos alternativos de vez em quando), usar um computador, fazer a barba, enfim. É muita coisa à agradecer, portanto, obrigado por tudo. Te amo!

Mãe, o último agradecimento não é o menos importante. Muito pelo contrário. Obrigado por tudo, mãe. Obrigado por não desistir nunca, por todas as madrugadas acordadas, por sempre ser carinhosa, por estar sempre preocupada, por aceitar certas atitudes mesmo quando não devia, pela comida quentinha, pela cama arrumada, pelas roupas limpas e passadas, por sempre pensar em tudo, por concordar em não contar pro pai quando eu levava bilhete na agenda, mas acima de tudo, obrigado por acreditar em mim, mesmo quando ninguém mais acreditou. Tomar a decisão certa quanto todos dizem que é a decisão certa é fácil, mas eu serei eternamente grato por ter tomado a decisão certa quando todos acharam que era a decisão errada. Isso foi fundamental para que esse parágrafo esteja sendo escrito. Portanto, fica aqui o meu mais profundo agradecimento para essa pessoa que sem dúvida nenhuma, é a mais importante da minha vida. Mãe, muito obrigado por tudo! Te amo! Te amo! Te amo!


¹ Sistema de apoio à dedisão da id Software utilizado como software de pesquisa e testes no Instituto de Informática da UFRGS
² Software da Electronic Arts que visa simular o comportamento de veículos em condições de tráfego normais, pilotagem agressiva e acidentes
³ Software da EA GAMES que procura simular os comportamentos físicos e psicológicos dos atletas através de simulações interativas de partidas de futebol

segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

Última aula

Pois é. A disciplina de segurança terminou, e as minhas aulas na graduação também.

Hoje foi o último dia. Quando passa fica meio estranho, parece que foi ontem que eu entrei na faculdade. Nem imaginando o número de aulas que eu iria ter que enfrentar para conseguir o diploma. Acho que eu não imaginava que pudessem ser tão poucas...

Sim, foram poucas. terminou. Foram seis anos freqüentando as disciplinas no curso de computação. Em algumas eu reprovei, em outras eu reprovei de novo mas não houve nenhuma cadeira que eu tivesse que fazer pela quarta vez. Não sou tão burro assim.

Não estou passado em segurança ainda, mas tenho certeza que não vou rodar. Fica faltando apenas o TC, mas essa é uma cadeira onde não existe aquela "aula" tradicional. Ou seja, eu nunca mais vou ter outra aula no curso de graduação em ciência da computação. E acho que eu já estou começando a sentir um pouco de falta de ser um aluno deste curso, mesmo tendo intenções de continuar como aluno especial no próximo semetre.

Mas quer saber? Valeu a pena. Aprendi a fazer coisas legais. Aprendi a fazer coisas que eu gosto de fazer. Conheci pessoas novas. Fiz amigos que quero ter sempre ao meu lado. Vivi bons momentos, vivi maus momentos, mas cada um deles teve a sua devida importância.

E é isso. Amanhã é a apresentação do meu TC. Se tudo der certo, amanhã de noite terei excelentes notícias para espalhar para o mundo inteiro.