segunda-feira, 23 de abril de 2007

pra, pri, pro...

Rocca:
acho que foi com a imagem
não sei ao certo
pergunta pra pri ou pro mairo
Melissa:
tá bom
Rocca:
pra pri pro pre pru
:D
Melissa:
hehehe

Oportunidades

Porque eu perco oportunidades raras? Porque eu não consegui falar nada? Porque não veio nada na cabeça? Porque só depois que eu perdi a chance eu penso no que eu deveria ter dito? Droga. Era só pedir o telefone. Só. De qualquer forma, sem muitas culpas. Foi um lance rápido, o semáforo abriu logo e era isso. Better luck next time.

Peguei um engarrafamento na Carlos Gomes. Completamente trancado. Indo em direção norte-sul, ao lado da parada antes da Nilo Peçanha, o trânsito estava trancado nas duas pistas da esquerda. Apenas uma pista liberada. Motivo? Uma moto caída e um corpo de motoqueiro estendido no chão. Ao lado do capacete (que ainda não havia sido removido), uma poça de sangue. Nem ambulância tinha (nem havia necessidade). No caminho de volta, fiquei imaginando se ele sabia que era a última volta da vida dele. Se a culpa foi dele ou se foi algum carro roubado em fuga que provocou a fatalidade. Sim, eu passei ao lado dele de moto.

domingo, 22 de abril de 2007

Good news

É lógico que a família inteira ficou chateada com a ida do Kid para o "paraíso dos cães", mas não há nada para ser feito. Meu padrinho em especial gostava demais dele.

Sexta-feira, ele esteve aqui me perguntando como aceitaríamos um novo cachorro. Disse que eu ia pensar a respeito e daria uma resposta para ele quando eu a tivesse. Sábado eu liguei e dei o sinal verde. E ele nos deu um cachororo.

Chegamos no local e um boxer veio ao portão. Já veio pedindo por carinho, mesmo sem o dono por perto. O nome dele? Buster. Era o pai da ninhada da qual eu teria a árdua tarefa de escolher um.

Escolher um cachorro é uma tarefa difícil. Não é um objeto que está sendo escolhido. Não é algo que é só pegar o menos arranhado ou o menos amassado. É um futuro amigo, um animalzinho que vai desenvolver sentimentos por ti e estes sentimentos serão recíprocos. Aí eu olho para aqueles filhotes e penso qual deles tem uma afinidade. Difícil essa.

Teve um que chamou a atenção logo de início. Acho que eu fui com a cara dele. Teve também um tigrado que eu achei muito bonito. E agora, qual dos dois? Coloquei os dois no chão e chamei os dois. O tigrado foi pro outro lado. E o ______ veio em minha direção.

E o nome? Não havia cadelas lá. Se fosse cadela, iria se chamar Sara. Mas e cachorro? Simplesmente não havia um nome definido. Kid? Iria parecer que estávamos substituindo uma peça defeituosa. Não. Conheci o pai dele, foi o cachorro que me recepcionou no portão. Esse filhote vai se chamar Buster, como o pai.

Cheguei em casa e disse para o meu pai que eu tinha um presente pra ele? O presente? Entreguei a carteirinha de vacinação, enquanto o cachorro ficava escondido no pátio da frente. As lágrimas nos olhos dele foram impagáveis.

E vai começar tudo de novo. Talvez seja burrice, começar tudo isso sabendo que o final vai ser triste. Mas os bons momentos com certeza superam isso.

De resto? Festa no sábado. Eu fiquei muito bêbado. MUITO. E deixo registrado um pedido de desculpas à todos que tiveram que agüentar um bêbado chato.

Hoje? Show do Wonkavision no aniversário do Alpha. Muito bom.

4-in-a-row!

P.S.: A foto do Buster pode ser vista aqui. Welcome to the family, Buster!

terça-feira, 17 de abril de 2007

Bad news

Pois é. Eu tinha comentado aqui que o meu cachorro teve uma infecção urinária e não falei mais sobre o assunto. Bom, ele entrou em um período de recuperação e teve outra crise no Carnaval. Acharam mais um cálculo, mas desta vez não precisou ser operado.

Após isso, parece que ele perdeu um pouco a flexibilidade dos movimentos das pernas de trás. Elas pareciam um pouco tortas no caminhar e ele não conseguia mais pular, mas continuava caminhando. A veterinária receitou uma ração própria para isso, e 2 Kg de comida, o suficiente para uma semana, custavam em torno de R$ 40. Bom, ele é nosso cachorro e é nosso dever cuidar dele. E ele melhorou!

Porém, sexta-feira foi o último dia em que ele movimentou as pernas de trás. Sábado ele acordou com elas paralisadas. Foi para o veterinário, tomou uma injeção e a veterinária ainda tinha "esperança". Segundo ela, era um disco da coluna que poderia ter saído fora do lugar, ou algo assim (eu não sou veterinário). O que quer que seja, não voltou para o lugar.

Pra quem não conhece o Kid, ele é grande, forte. Uns 28 Kg de pelo. Depois que passou por estes problemas, deve ter caído para uns 25 Kg, o que ainda assim é um peso bem grande para se arrastar de um lado para o outro. Claro que ele ganhava colo grande parte das vezes, mas ele ainda tentava caminhar por conta própria, e hoje começaram a aparecer feridas nas patas em função do atrito com o chão.

Foi novamente para a veterinária, que desta vez falou que não tinha mais esperanças, que tudo só tendia a piorar. Era condenar o cachorro a viver em sofrimento ou sacrificar. E a segunda opção foi a adotada.

E eu vou sentir saudades...

...do teu focinho molhado.
...de quando eu tava de mal com a vida e tu sentava do meu lado.
...de quando eu jogava bolinhas longe e tu trazia de volta.
...das nossas corridas na beira da praia.
...de quando eu te chamava pro banho e tu fazia de conta que não era contigo.
...das nossas brincadeiras no chão.
...das brincadeiras de pega-pega.
...do jeito que tu caminhava de lado quando eu chegava em casa.
...do teu ódio mortal por gatos.
...da tua carinha de culpa quando fazia alguma coisa errada.
...do jeito sempre manso.
...daquele olhar em curva pela mesa nos dias de churrasco.
...dos teus lindos saltos.
...das brincadeiras com a toalha depois do banho (tu alcançava 1,80m).
...do jeito que tu sabia ficar quieto quando eu não queria falar com ninguém.
...dos peidos dentro do carro nas viagens.
...das sacudidas durante o banho, garantindo que eu nunca saísse seco.
...do jeito que tu arranhava o portão na hora de ir passear.
...de te chamar de "desbolado".
...de te colocar dentro do armário.
...de quando tu subia na prateleira para, no inverno, pegar o primeiro sol da manhã.
...dos teus latidos.
...daquela cara que se apoiava na minha janela quando eu a abria, todos os dias de manhã.
...de te ver comendo banana, uva, manga, melancia, mamão, tomate e outras coisas bizarras que cachorros normalmente não comem.
...das tuas paradas para "pastar" durante os passeios.
...dos teus latidos quando chegava visita nova.
...dos teus dentes tortos.
...de te dar colo, mesmo não sendo uma tarefa das mais fáceis.
...do teu medo indescritível da lona preta.
...do jeito que tu empacava na esquina na hora de voltar pra casa.
...de quando tu subia no balcão para espiar a casa do vizinho.
...da vez que tu quebrou a sinaleira do carro porque um gato se escondeu no motor.
...de todas as vezes que tu movimentou a mesa durante o churrasco, simplesmente porque ali era onde tu achava certo passar.
...da cabeça abaixo do braço esperando ganhar um pedaço de carne.
...do corpo tigrado com patas brancas.
...dos banhos de mar contra a vontade.
...daquele bicho se esfregando na grama com a barriga pra cima.
...daquela cabeça desaparecendo do retrovisor quando eu fazia uma curva.
...do amigo mais cachorro que eu já tive.

Kid
27/02/1997 - 17/04/2007

domingo, 15 de abril de 2007

3-in-a-row

Sério, meus fins-de-semana não são marcados por serem o extremo da diversão. Eles são legais por serem aquele descanso entre uma semana e outra, mas não são obrigatoriamente divertidos. Mas o três últimos foram fantásticos!

O primeiro deles foi o TrucoNight lá na casa do Abel, saindo para beber cerveja em um postinho de gasolina. No outro, a Fórmula Truck, que já ganhou um post. E nesse:
  • Eu nunca tinha conversado com um estrangeiro. Ontem, conversei com dois (e um deles era o Maddog).
  • O FISL tava muito bom. Eu simplesmente me nego a acreditar que eu perdi as outras sete edições.
  • O povo dos outros estados/países parava para nos ver jogando truco bem no meio do fórum (Bruna, Vitório, Julio e eu). E tiravam fotos!
  • Joguei Imagem & Ação pela primeira vez. E pela segunda vez. E terceira. Muito divertido.
  • Mentira tem perna curta.
  • Quando o Alpha prendeu o cabelo no ventilador, assustou todo mundo. Quando vimos que não era grave (nem precisou cortar) a gargalhada foi muito grande. Espero que a dona do apartamento não seja multada.
  • Meu nome está escrito no livrinho do FISL.
  • "Gostosa!"
  • "Tô indo ali na casa da minha namorada."
  • A Lima & Silva é um ótimo lugar para reunir amigos, mas um péssimo lugar para dirigir. Especialmente à noite e em fins de semana.
  • Entreguei o resumo de um artigo de Redes de Banda Larga. A idéia de abandonar os estudos deu uma enfraquecida.
  • Eu tenho uma camiseta do Javali! Obrigdo, Bruna!
  • Eu criei uma conta no Fotolog. Eu tenho mais fotos do que paciência para atualizar, então quem quiser acompanhar pode fazer isso através do feed.
  • Amigos novos. ^^
  • 4-in-a-row?

segunda-feira, 9 de abril de 2007

Problema de tráfego?

Fala sério, Google. Bloquear meus anexos porque eu usei de forma "não usual" o meu e-mail nas últimas 24 horas? Defina esta forma não usual, por favor. Talvez eu deva criar um horário para checar os meus e-mails, certo? Todas as quartas-feiras, das 21:30 às 21:45, que tal?

Não, eu não uso Gmail Drive e GreaseMonkey. Apenas o FasterFox. É esse o problema?

É nessas horas que eu percebo a diferença entre um serviço sustentado por anúncios e um serviço pago...

Fórmula Truck do poder!

Plano original: Sábado à noite, o pessoal que está a fim de ir (Thiago, Abel, Dalila e eu) sairá junto e passará a noite lá bebendo e falando besteira. Sem logística de transporte e acomodação definida, tudo que iremos levar é uma lona, uma churrasqueira e algumas cadeiras, por enquanto.

Devido ao imenso número de interessados em ir comigo para o Racha Tarumã (realmente diversas pessoas se interessaram) e devido ao imenso número de desistências (ninguém foi), não convidei ninguém, apenas disse que ia. Como o Thiago e o Abel já tinham dito que queriam ir, foi fácil de planejar. Já a Dalila demonstrou interesse em ir quando eu falei.

Sexta-feira (06/04):

Saí de casa por volta de 16:20 para ir ao autódromo ver o treino livre, que começava 17:00. Ver os caminhões saindo dos boxes já deu a entender de que a corrida seria bem legal, como de fato foi. Já tinha gente acampando lá para assistir a corrida, e eu perguntei para um cara aleatório se ele ia sempre lá e se sábado de noite era fácil conseguir um lugar bom. O rapaz foi bem simpático em não rir da minha cara, mas disse que sábado ao meio-dia os melhores lugares já estariam todos ocupados.

Plano B: Irei levar a barraca, passar a noite lá e o plano para amanhã continua o mesmo. A logística de transporte continua indefinida. Sábado à tarde meu pai irá me visitar para ficar cuidando da barraca enquanto eu volto para casa.

Por volta de 21:30, com o kit acampamento pronto, peguei a moto e saí. O Roccão foi junto para levar as coisas (barraca, colchonetes, travesseiro, cobertor, etc.) no carro. Por volta de 23:30, a barraca já estava montada e o Roccão foi embora. A noite foi tranqüila e descobri que acampar na terra é muito pior do que acampar na grama. Como lá não tinha grama, não teve outro jeito.

Sábado (07/04):

Acordo por volta de 08:30 e subo até o restaurante para tomar um café (um sanduíche americano + achocolatado). Como à noite eu não havia notado os buracos na cerca, fiz toda a volta para chegar ao restaurante. Mas acho que mesmo notando o buraco, eu teria feito toda a volta mesmo assim. Eu explico: Como lá é uma área privada, não é possível multar alguém por alguma infração de trânsito. Ou seja, ninguém é multado por estacionar em local proibido, exceder o limite de velocidade, fazer manobras arriscadas ou, no meu caso, andar sem capacete. E andar sem capacete é muito bom. "Tomei" o "café-da-manhã" sentado na arquibancada assistindo o primeiro treino livre de sábado, junto com outras caras sonolentas ao meu lado.

Pouco depois disso meu pai me liga avisando que iria levar a churrasqueira e assar uma carne comigo ao meio-dia. Como seriam só nós dois, não achei a idéia muito razoável. Mal sabia eu que esta seria a melhor idéia dele durante o fim-de-semana...

Ele chega por volta de 11:15 levando lonas (pequenas), cadeiras, uma mesa, a churrasqueira, isopor (com cerveja gelada) e todos os apetrechos necessários para um churrasco. Ficamos comendo carne até umas 13:30. Nesse momento a logística de carros se definiu. Era o Plano C. O Abel e o Thiago ganhariam carona de terceiros, a Dalila iria comigo de moto e o meu pai passaria a noite lá. Teríamos som, um carro para colocar as coisas dentro e uma churrasqueira pronta para a diversão.

Continuando, por volta de 14:30 eu volto para casa, tomo um banho, descanso um pouco e 18:00 saio para voltar ao Autódromo, dando carona para a Dalila. Cheguei lá e o meu pai saiu com o carro para buscar mais carne, um aparelho de som, uma lona maior e outras firulas. Abel e Thiago chegam quando a chuva estava começando e os lugares abaixo da lona eram poucos. A água atrapalhava e a noite prometia ser péssima. Quando o Roccão voltou com a lona maior, tudo ficou mais divertido. Parou de cair água nas nossas cabeças e tínhamos espaço de sobra para sentar e conversar. Outro churrasco e o meu pai decide mudar os planos e dormir em casa (se você perdeu as contas, Plano D). O carro fica lá (ele estava segurando a lona) e ele pega a moto emprestada.

Domingo (08/04):

Começa com o pessoal indo dormir no banco do carro. Abel e Thiago desistem de dormir e passam a noite conversando. Eu, como tinha a barraca e estava cansado, não hesitei em ir dormir.

Por volta de 06:30 eu acordo e vou para o desjejum (que eu já sei que não será um "café-da-manhã"). O sanduíche americano é substituído por um pastel que eu não havia visto no dia anterior. Por volta de 07:00 chega o Roccão, por volta de 08:00 chegam os amigos do Roccão e 09:30 a carne já está no fogo e a primeira caipirinha já estava preparada. Até 13:00 continuamos persistindo na árdua tarefa de comer, beber e dar risada. Antes mesmo de a corrida começar, a barraca já estava desmontada, visando facilitar a saída após o encerramento da corrida. Quando terminada, uma hora ajuntando tudo até ir embora. Um tempo relativamente bom pela estrutura montada. E por incrível que pareça, a diversão maior nem foi a corrida, e sim todo o resto. A corrida apenas serviu para encerrar com chave de ouro um excelente programa para o fim de semana. E em breve eu vou escolher um novo papel de parede, no meio das quase 200 fotos.

Coisas que deram certo:
  • Know-how adquirido. O próximo desses vai ser bem melhor.
  • Adoro acampar.
  • O Plano D funcionou.
Coisas que deram errado:
  • A lona que tínhamos em casa é pequena, e não serve para esse tipo de coisa.
  • Viamão = 220 volts. Não chegamos a queimar a lâmpada, mas vimos que ela não ia agüentar muito tempo. A primeira noite foi no escurinho.
  • A idéia de passar a noite acordado é bem interessante, mas deixa o cara cansado. Idéias de passar a noite lá conversando sem local para dormir serão descartadas automaticamente depois dessa indiada.
  • Os banheiros. Eram daqueles pipi-anti-ecológico, que assustam quando entramos. Isso durante o dia. À noite, qualquer canto escuro pode ser usado como banheiro.
  • Quando eu planejo as coisas, nem Plano B resolve. Nem mesmo Plano C. Com o Rocca, o Plano D é que funciona.
Know-how:
  • Não encontrei chuveiros, mas acredito que não existam chuveiros usáveis por lá. Ficar lá por dois dias consecutivos, nem pensar.
  • Em corridas como a F-Truck e a Stock Car, é necessário ir para lá cedo para pegar lugar. Final da tarde / início de noite de sexta é a opção mais lógica.
  • Lá faz frio durante a noite.
E era isso. Não sei quando é a Stock Car, mas estou bem disposto a encarar.