segunda-feira, 26 de abril de 2010

Enquanto isso, na página da Zero-Hora...


Por enquanto, disponível aqui: http://www.zerohora.com.br/

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Fronteiras do Pensamento

Segunda-feira de manhã. Vou para o trabalho. Chegando lá, acesso os sites da Zero-Hora e do Correio do Povo, para tomar conhecimento das principais manchetes do Estado. No primeiro site, encontro um quiz para concorrer a dois passaportes para o Fronteiras do Pensamento. Como sempre gostei de desafios, me habilito a achar a resposta para as 10 perguntas e envio as respostas por SMS.

Terça-feira de manhã. Vou para o trabalho. Por volta das 10h, a Vanessa da Zero-Hora me liga informando que eu fui a segunda pessoa a enviar todas as respostas corretas, ganhando um dos passaportes. O resultado da promoção foi divulgado aqui.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Twitter

Depois de perceber que eu estava completamente um pouco por fora dos últimos acontecimentos, comecei a acompanhar o que acontece no Twitter. A minha conta já estava criada fazia algum tempo (vai que outra pessoa queira se passar por crocca), mas estava protegida sem seguir e sem ser seguida por ninguém.

Ainda estou tentando me acostumar, mas já existe o twitter.com/crocca. Sim, sou eu mesmo.

Os dias agradáveis

Se existe uma coisa da qual eu sinto falta, são os dias agradáveis. Não que os meus dias sejam tristes ou monótonos, longe disso. Quando eu falo dos dias agradáveis, falo justamente sobre a questão climática desta incrível cidade que é Porto Alegre.

O dia agradável é aquele em que, para sair de casa de manhã, é bom colocar um casaco de moletom para não sentir muito frio. Ao meio dia, o sol é um pouco quente e uma árvore frondosa provoca um pequeno arrepio. De tarde, a temperatura e a posição do sol são propícias para tomar um chimarrão sentado em um parque usando camiseta, bermuda e óculos escuros. À noite, o casaco já não é mais necessário, a não ser que o passeio seja de moto ou tenha um pouco de vento. Para dormir, o edredom é opcional.

O inverno do ano passado foi bastante rigoroso. Nos dias mais frios, chegava com as mãos e os dedos doloridos no trabalho, apesar das luvas. Mesmo com frio, não abria mão da motocicleta para me deslocar.

A transição do inverno para o verão foi bastante rápida. Logo no começo daquela que é a estação mais quente do ano ela mostrou que não seria só o inverno que iria se destacar. Na outra ponta do termômetro, o verão de Porto alcançou máximas que vão entraram para a história. E terminado o verão, começa a voltar o frio.

Neste período de transição, deixam saudades os outonos e as primaveras de antigamente, as estações dos dias agradáveis. Estamos no outono, mas apesar de estar em casa de camiseta, já está frio na rua. O casaco já não pode ser esquecido no armário. Para andar de moto, a luva precisa sair da gaveta.

Pelo visto, a transição do calor para o frio vai ser rápida de novo. O outono não quer ser outono, quer ser verão ou inverno. Enquanto isso, fico à espera da primavera, com um pouco mais de personalidade, para curtir outros dias agradáveis.